Principal > Notícia > Ação da Defensoria garante indenização para criança que teve dosagem errada de colírio fornecido por farmácia

Ação da Defensoria garante indenização para criança que teve dosagem errada de colírio fornecido por farmácia

18 de junho de 2018

colirio

A Defensoria Pública do Estado do Ceará conseguiu sentença favorável em ação que impôs idenização a uma rede de farmácias cearense com o pagamento de 30 mil reais para mãe e filho, após disponibilizar colírio na dosagem errada para a criança.

No dia 29 de setembro de 2014, a mulher levou seu filho ao oftalmologista. O médico prescreveu um tipo de colírio com a dosagem de 0,5%, a ser utilizado durante três dias, sendo uma gota pela manhã e outra durante a noite. Com a receita em mãos, ela foi a farmácia mais próxima e solicitou, via laboratório, a manipulação do remédio. O colírio recebido, todavia, era na dosagem de 1%, o dobro da prescrição médica, gerando reações alérgicas perceptíveis na criança: sinais de intoxicação com bolinhas avermelhadas na pele, quadro febril e dificuldade em enxergar.

Foi depois desse acontecimento que a mulher procurou o Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Públicado do Estado do Ceará. O defensor público Francisco Bionor do Nascimento era o supervisor do Nudecon à época. “A assistida procurou a Defensoria Pública e me relatou o que ocorreu. Foi então que nós entramos com o pedido de reparação de danos, tanto financeiro quanto moral”.

Em março deste ano, o juiz José Barreto de Carvalho Filho, da 23ª Vara Cível de Fortaleza, determinou o pagamento de R$ 30 mil, sendo R$ 20 mil para a criança e R$ 10 mil para a mãe, além dos prejuízos materiais (consultas, transporte, óculos e medicamentos), a serem apurados com a liquidação de sentença.

A empresa, todavia, entrou com apelação junto ao Tribunal de Justica do Ceará. No tribunal foi confirmada a sentença, mantendo o valor de 30 mil para o pagamento. “É uma forma justa de minimizar um erro muito grave que poderia ter levado a cegueira da criança. Mas, além disso, existiram danos reais. Que isso sirva de alerta para nós, consumidores, que passamos por situações como essa e não ingressamos com nenhuma ação por achar que não dá em nada”, ressalta o defensor público da 12a Defensoria Cível do 2o Grau, Carlos Augusto de Andrade.

“Fico feliz porque realmente ela teve acesso à justiça e teve seu direito reconhecido. O tribunal fez confirmar o que o juiz havia decidido”, reforça a defensora pública da 6a Defensoria Cível, Rejane dos Santos.

A 4ª Câmara de Direito Privado manteve a decisão. Para o relator da ação, o desembargador Durval Aires Filho, o dano moral indireto suportado pela mãe da vítima se afigura cabível, admitido na doutrina e na jurisprudência. Na decisão, o relator ainda diz que os valores “não se afiguram desarrazoados, considerando a situação descrita e suas consequências, tampouco se revelam aptos a ensejar enriquecimento demasiado dos promoventes, nem também irrisório para fins de punitivos e educativos da promovida”.