Principal > Notícia > DPGE recebe visita guiada com estudantes da Faculdade Ari de Sá

DPGE recebe visita guiada com estudantes da Faculdade Ari de Sá

20 de junho de 2016

visitafaculdadeari de sá

Na manhã da última sexta-feira (17 de junho), a Defensoria Pública do Estado do Ceará (DPGE) realizou uma visita guiada com alunos do primeiro semestre do curso de Direito da Faculdade Ari de Sá. A iniciativa é uma parceria do Núcleo de Estágio e da Escola Superior da Defensoria Pública (ESDP) junto às instituições de Ensino Superior (IES) que visa apresentar a Defensoria e suas atribuições aos estudantes.

A defensora pública Roberta Quaranta, diretora da ESDP, ressaltou a importância da ação para os envolvidos. “O projeto é salutar, pois retrata para os estudantes de Direito a visão de Defensoria, ou seja, uma preocupação com o lado social, com a prestação de uma justiça gratuita efetiva, célere e realmente comprometida com a resolução dos problemas e com a transformação social”.

Os estudantes visitaram o Núcleo Central de Atendimento (NCA) e tiveram a oportunidade de observar como funcionam os núcleos especializados, além de ter  esclarecimentos sobre as principais demandas, trâmites processuais e rotina de trabalho de um defensor público e dos estagiários da instituição. A visita também contou com a presença da supervisora do NCA, Andréa Rebouças e da supervisora do Núcleo de Estágio, Sâmia Costa Farias Maia.

A visita foi finalizada com uma palestra com o tema “O que é a Defensoria Pública?”, no auditório Jesus Xavier de Brito, com a defensora pública Amélia Rocha que pontuou: “Há um ditado que diz que é preciso cuidar do fogo do telhado do vizinho nem que seja para cuidar do nosso. Por mais que a Defensoria Pública tenha crescido muito nos últimos anos dez anos e hoje exista uma nova instituição, ela ainda é comumente confundida com uma instituição caritativa e a Defensoria não é e nunca foi uma instituição caritativa. Ela é órgão que a constituição criou para garantir a todos e todas o mesmo ponto de partida e na formula do estado democrático de direito, a Defensoria Pública tem uma grande função na transformação social. Nesse sentido, a iniciativa é importante por vários caminhos, por assim dizer. A primeira delas é o alicerce. Um grande prédio ele se constrói a partir do alicerce. Então o primeiro e o segundo semestre da faculdade acabam moldando todo o caminho que vai ser trilhado na universidade”.

De acordo com a coordenadora do curso de Direito da Faculdade Ari de Sá, Marlene Pinheiro Gonçalves, a visita proporcionará um grande impacto na formação desses estudantes: “A Defensoria Pública representa para qualquer estudante de Direito e também para a instituições de ensino o encontro entre a sociedade e o estudo jurídico e, nesse sentido, é um dos primeiros órgãos públicos que nós queremos aproximar dos nossos alunos para construir essa sensibilidade em relação ao Direito, pois a área jurídica não é só a questão do dinheiro, do trabalho burocrático, mas é um trabalho social. A Defensoria é o meio de acesso à justiça e hoje nossos alunos tiveram a oportunidade de observar isso de fato”, ponderou.

Dentre todos os núcleos visitados pela estudante Renata Magalhães Ribeiro, 18, o que mais despertou sua atenção foi o Núcleo da Saúde. Segundo a estudante, o entusiasmo e a atenção dedicada aos assistidos rendeu sua admiração: “Tive a oportunidade de saber um pouco mais sobre como funciona cada setor, mas o que realmente chamou a atenção foi o atendimento atencioso e que realmente busca atender as necessidades das pessoas. Na verdade desde já despertou meu interesse em fazer parte dessa instituição, não é um desejo futuro, o impacto foi imediato”, comentou.

O também estudante Renan Bezerra, 18, se surpreendeu com o trabalho realizado pelos defensores e lamentou o número insuficiente de defensores públicos para atender à população. “A deficiência ainda existe em relação ao número de defensores públicos e o quanto a função que ele exerce é essencial para melhorar a vida da população mais carente. Querendo ou não, mesmo sendo o defensor mais dedicado, o número insuficiente de defensores públicos atrasa o desenvolvimento das melhorias sociais com relação ao esclarecimento da população em relação aos seus direitos”, destacou.

O estudante tem interesse em trabalhar com ressocialização de detentos e direitos humanos e fala sobre seus planos: “Antes de entrar na faculdade, eu já tinha uma ideia do que eu queria. Depois de conhecer melhor, há uma grande chance de futuramente eu prestar concurso para Defensoria Pública e antes disso, atuar como voluntário até que eu possa concorrer a uma vaga de bolsista. Esses são meus planos, o foco é estudar para realmente ser um defensor público. Eu vejo o quanto a parcela carente precisa dessa assistência e desse reconhecimento e meu intuito é levar informação para quem precisa e trazer essa consciência também, porque esse é o papel do defensor público e por isso me identifico com a profissão”, conclui.