Principal > Notícia > Moradores do Bairro Lagamar buscam atendimento na Defensoria em Movimento

Moradores do Bairro Lagamar buscam atendimento na Defensoria em Movimento

14 de junho de 2019

IMG_1196

Na manhã chuvosa desta quinta-feira (13), o bairro Lagamar recebeu a Defensoria em Movimento, projeto que leva atendimentos dos defensores às comunidades. Com a presença de moradores, os atendimentos aconteceram de 8h ao meio-dia. O projeto segue até esta sexta-feira, 14, no mesmo horário, em frente ao CRAS – Centro de Referência de Assistência Social do Lagamar, (Rua Sabino Monte, 4506, São João do Tauape).

IMG_1161Uma das moradoras que buscou o serviço foi a autônoma Nayana do Nascimento, de 30 anos, que precisa de auxílio na resolução do pagamento da pensão alimentícia de sua filha de 3 anos. Além disso, a moradora narra que, durante o período de fortes chuvas no início do ano, o canal próximo à sua residência transbordou e inundou sua casa. Nayana conta que perdeu toda a documentação pessoal que a ajudaria a dar entrada no processo. “A casa inundou durante a madrugada, então só notei que havia molhado tudo pela manhã. Só não perdi certidão de nascimento, RG, porque estavam em uma pasta em outra cômoda da gaveta. O defensor daqui fez a petição e vou conseguir todos os documentos de volta”, conta a moradora. Ela está preocupada porque o ex-companheiro não realiza o pagamento da pensão: “há dez meses, ele não dá a pensão e isso já é acordado pela justiça. Já tentei conversar, mas nada resolveu. Então quero voltar ao fórum para uma solução”, desabafa.

Casos de ações envolvendo bancos também foram atendidos na Defensoria em Movimento. Adriana Gerônimo, assistente social e presidenta da Associação Marcos de Bruin, localizada no Lagamar, procurou os serviços para solucionar um problema. “Chegou uma carta na associação por conta de prestações de conta das gestões passadas. Mas nós não temos como arcar com nada que é solicitado, porque recebemos doações e eles estão pedindo reembolso atualizado”, diz a assistente social. A ONG presta serviços à comunidade e está menina situação financeira crítica.  “Nós já tivemos diversas gestões em melhores condições, mas hoje não temos caixa para despesas. Temos a cooperativa, aulas para crianças e adolescentes e outras ações que demandam verbas e material que são doados, não podemos arcar com esta dívida”, explica.

IMG_1216A defensora pública Adriana Melo participou dos atendimentos e falou sobre a importância do atendimento. “Essas atividades são muito necessárias para as comunidades, pois possibilitam o acesso à justiça das diversas pessoas, além promoção dos direitos”, argumenta.