Principal > Notícia > Núcleo de Direitos Humanos presta assistência jurídica ao jovem vítima de agressão no Benfica

Núcleo de Direitos Humanos presta assistência jurídica ao jovem vítima de agressão no Benfica

25 de janeiro de 2018

A Defensoria Pública do Estado do Ceará recebeu formalmente nesta quarta-feira (24) a denúncia do jovem universitário atacado por um grupo de dez pessoas, identificado posteriormente como “Carecas do Brasil/Ceará”, na noite da última quinta-feira, 18, no bairro Benfica. O jovem procurou o Núcleo de Direitos Humanos e Ações Coletivas da Defensoria, que colheu seu depoimento e fará a sua assistência jurídica.

Segundo o relato da vítima, que ganhou grande repercussão na imprensa e mídias sociais, ela estava com amigos na Praça da Gentilandia quando avistou um grupo fixando cartazes. No primeiro momento, os jovens pensaram tratar-se de integrantes do movimento de rock da cidade, já que todos trajavam camisas pretas, mas ao avistar a postura intimidadora do grupo e o teor preconceituoso nos cartazes do bairro, dois amigos resolveram arrancar os cartazes.

O coletivo “Carecas do Brasil/Ceará” teria revidado a ação com agressão física. Todos conseguiram escapar, exceto um deles, que foi vítima de empurrões, socos, inclusive na cabeça e expressões que expressam a intolerância do coletivo, como “Foi esse viadinho aqui?”, “Foi este preto imundo mesmo”. O relato aponta dois minutos de agressão, até que conseguiu fugir. Após as agressões, a vítima encontrou uma viatura da Polícia Militar que recomendou registro do fato na delegacia. Foi aberto boletim de ocorrência na 11a Delegacia de Polícia Civil.

De acordo com o defensor público do Núcleo de Direitos Humanos e Ações Coletivas que acompanha o caso, Eliton Meneses, serão tomadas todas as medidas legais e judiciais no sentido de reparar os danos sofrido pelo jovem, inclusive de preservação de sua integridade. “Tudo leva a crer que a violência foi motivada unicamente por homofobia e racismo. E isso é crime. Vamos acompanhar a investigação, entrar com ação de danos morais para reparação civil além de oficiar a Secretaria de Segurança Pública para, dentre outras medidas, pedir o resguardo da segurança da vítima. A Defensoria acompanhará as investigações do Ministério Público e da Polícia Civil para a responsabilização dos agressores”, destaca.

A Defensoria Pública repudia a existência de grupos neofascistas no Estado, que usa violência e prega a intolerância contra classe social, credo, cor ou orientação sexual e irá acompanhar o caso para que todas as providências cabíveis sejam tomadas até a responsabilização dos agressores nas esferas civil e criminal.