Principal > Notícia > Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher passa a funcionar dentro da Universidade Federal do Ceará

Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher passa a funcionar dentro da Universidade Federal do Ceará

9 de março de 2018

nudem2

No dia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Defensoria Pública do Estado do Ceará inaugurou o Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher (Nudem), que já está funcionando dentro do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (Rua Meton de Alencar, s/n – esquina com Avenida General Sampaio).
IMG_4819A mudança foi motivada tanto pela questão estrutural da antiga sede, que funcionava no bairro Benfica, como pela indefinição da abertura da Casa da Mulher Brasileira, que concentrará todos os órgãos especializados na proteção da vítima de violência doméstica. Ainda não há uma definição por parte do Governo Federal da data de funcionamento deste equipamento e, diante da necessidade de oferecer um lugar mais acolhedor para essas mulheres, a Defensoria Pública mudou a sede do Nudem de modo provisório.

Com o Nudem na UFC, a expectativa é que os alunos possam conhecer a temática do Nudem. As informações podem traçar perfis das mulheres que buscam a Defensoria: idade, tempo para o rompimento do ciclo de violência, fatores que potencializam a dependência e a presença dos filhos nos atos de violência. Entre 2016 e 2017 houve um aumento de 140% na procura pelos serviços do Nudem, passando de 1.639 atendimentos para 3.961. Este ano, já são mais de 500.

“A Defensoria traz para dentro da Universidade um equipamento relevante de sua estrutura que vem somar com a Academia na perspectiva de trabalhar melhor a questão da violência da mulher, uma violência que não é só física mas que compreende outras vulnerabilidades como a social e econômica. Essa é uma questão que nos exige um atendimento transversal com áreas como Psicologia e Serviço Social, por isso estamos aqui com nossa célula psicossocial. Queremos nesta parceria com a UFC somar esforços e trazer a realidade da violência contra a mulher para o dia a dia para os alunos para que a gente possa também desenvolver pesquisas e projetos acadêmicos em breve”, comenta a defensora geral, Mariana Lobo.

IMG_4971O diretor da Faculdade de Direito, Cândido Albuquerque, ressalta que a parceria possibilitará que projetos de extensão permitam um maior conhecimento da problemática sobre a violência contra a mulher. “O número de mulheres que são vítimas é muito alto, e não pensem que isso acontece nos lugares mais pobres não, acontece também em áreas nobres da cidade, então é necessário que a gente tenha mais atenção a essas questões. Por isso, trazemos esse debate para a Defensoria, para que elaboremos inúmeros projetos, de modo que nós possamos conhecer melhor esse drama da violência contra a mulher, para que possamos apresentar soluções para esses casos. Que tipo de violência é praticada, seja física, moral, dentre outras. Nós temos agora, com esse Núcleo, possibilidade de fazermos estudos e pesquisas, conhecer melhor o cenário”, diz Cândido Albuquerque.

nudem 1A solenidade de inauguração contou com a presença da defensora pública geral do Ceará, Mariana Lobo; do subdefensor, Leonardo Antônio de Moura Júnior; da secretária executiva, Elizabeth Chagas; da supervisora do Nudem, Jeritza Braga; da assessora de Relacionamento Institucional, Amélia Soares da Rocha; da coordenadora das Defensorias da Capital, Natali Massilon; da assessora de Planejamento e Gestão, Samia Costa; e da presidente da Associação dos Defensores Públicos (Adpec), Ana Carolina Neiva Gondim Ferreira Gomes. A vereadora Larissa Gaspar também estava presente, além de defensores do núcleo e da equipe composta por psicólogos, assistentes sociais, colaboradores e estagiários.

Representantes da faculdade também compareceram. Dentre eles estavam o diretor da Faculdade de Direito da UFC, Cândido Albuquerque; o coordenador do curso, Sidney Guerra Reginaldo; a coordenadora do Núcleo de Prática Jurídica, Beatriz Xavier; a coordenadora adjunta do NPJ, Camila Freitas; além de professores da faculdade e estudantes.