Principal > Notícia > Ciganos são recebidos na Defensoria Pública

Ciganos são recebidos na Defensoria Pública

30 de novembro de 2018

ciganos

Ações de educação em direitos e assistência jurídica. Esses foram os dois principais assuntos abordados durante a reunião entre a Defensoria Pública do Ceará e representantes dos povos ciganos do Ceará, que aconteceu na tarde desta quinta-feira, dia 29, na sede da Defensoria. O objetivo da reunião foi lançar um calendário de capacitação para defensores populares nas comunidades ciganas e promover visitas de defensores públicos às localidades para atuação jurídica. Durante o encontro, estiveram presentes a defensora pública geral, Mariana Lobo, e o assessor de Relacionamento Institucional, Eduardo Villaça.

De acordo com Rogério Ribeiro, presidente do Instituto Povo Cigano do Brasil, há registros de ciganos em 60 cidades no Estado do Ceará com comunidades ciganas, com destaque para Caucaia, Fortaleza,  Pindoretama e Sobral. “Acreditamos que essa proposta de implantação dos defensores populares, capacitando os próprios ciganos a serem protagonistas dos seus direitos, vai nos ajudar a diminuir a marginalização e preconceito com o nosso povo”, ressaltou durante a reunião.

A defensora pública geral Mariana Lobo ouviu atentamente as demandas dos representantes dos povos ciganos e direcionou uma nova reunião entre a Escola Superior da Defensoria Pública e a Ouvidoria Externa da instituição para que possam ser agendadas ações do projeto Defensoria em Movimento, quando defensores públicos se deslocarão até às comunidades promovendo educação em direitos e a assistência jurídica gratuita. “Nosso papel é de reafirmação de direitos e de resgate da cidadania das comunidades tradicionais. Sabemos que os ciganos vivem excluídos, muitas vezes das políticas públicas específicas que compreendam às questões culturais. Por isso que é importante construirmos juntos projetos para essa população que há bem pouco tempo não era identificada”, destacou Mariana Lobo.

ciganos2Apesar de haver registros em 60 cidades no Estado do Ceará com famílias ciganas, ainda não há um levantamento sobre as condições de vida  destas comunidades no Estado. “Estamos em processo de afirmação e de visibilidade. Com esse mapeamento finalizado e com as ações da Defensoria Pública irão nos permitir conhecer melhor sobre os nossos direitos e combater as violações que sofremos por conta da nossa etnia”, finaliza Rogério.

Este é o terceiro encontro entre Defensoria Pública e Povos Ciganos. No dia 3 de novembro,  ocorreu II Encontro dos Povos Ciganos de Sobral, promovido pelo Instituto de Cultura, Desenvolvimento Social e Territorial do Povo Cigano do Brasil, em parceria com a Coordenadoria Municipal de Direitos Humanos de Sobral. O evento ocorreu na Fazenda Joelma, no distrito de Jaburuna, importante reduto da etnia cigana Calon, em Sobral. O defensor público Igor Barreto esteve presente.