Site da Defensoria Pública do Estado do Ceará

conteúdo

“Fui pra luta mesmo, mas a luta da justiça”. Mãe consegue busca e apreensão do filho, em Caucaia

“Fui pra luta mesmo, mas a luta da justiça”. Mãe consegue busca e apreensão do filho, em Caucaia

Publicado em

“Ele nunca tinha me batido, mas quando ele tirou o meu filho de mim foi a maior dor do mundo. Eu ainda choro quando lembro do que ele fez e dá uma coisa ruim aqui, sabe?”, conta a mulher de 31 anos que teve o filho levado pelo ex companheiro e precisou entrar com uma ação de busca e apreensão da criança, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. A pedido dela e com medo do que ainda pode acontecer, ela não será identificada na matéria.

A criança de um ano e seis meses foi retirada dos braços da mãe pelo pai na quinta-feira, dia 18 de junho. “Ele chegou no dia anterior já bêbado e passou a madrugada me ameaçando, segurando uma foice. Eu fiquei trancada no quarto, um verdadeiro quarto do pânico, esperando o dia clarear pra eu poder ir embora. E quando eu arrumei as minhas coisas e estava indo para a casa dos meus pais, ele tomou meu bebê. Ele ainda bêbado arrancou a criança dos meus braços e ficou me ameaçando com essa foice. Fiquei apavorada, deixei meus outros dois filhos maiores na casa dos meus pais e fui pra luta mesmo, mas a luta da justiça”, relembra a mãe com a voz embargada quando se lembrava do acontecido.

A mulher fez o boletim de ocorrência na Delegacia, acionou o Conselho Tutelar e encaminhou toda a documentação para dar entrada na ação de busca e apreensão pela Defensoria Pública. Por conta da pandemia do novo coronavírus, o atendimento aconteceu de forma virtual. A defensora pública Germana Becco foi a responsável pela petição inicial. “Sensibilizada com a situação aflitiva da jovem mãe e convicta da necessidade de uma rápida solução para o problema, imediatamente ajuizei uma ação de busca e apreensão, que foi de pronto apreciada e deferida pelo Judiciário. Casos como esse só comprovam a grande importância do papel social da Defensoria Pública, que solucionou o grave drama da assistida com a urgência que o caso requer”, destaca a defensora.

O pedido da Defensoria foi apreciado no mesmo dia pelo juiz Henrique Falcão, da 1ª Vara de família, e contou com o apoio da assistente da Unidade Judiciária, Sofia Quirino. O defensor público Adson Wariss Maia, titular da Vara e supervisor da Defensoria em Caucaia, assim que tomou conhecimento da ação, buscou as medidas para que o processo fosse analisado com a urgência necessária. “A mãe ainda amamentava, e ela estava realmente muito aflita por conta disso também, e todos que tiveram conhecimento da história trabalharam de prontidão para que a ela recuperasse o bebê. O juiz deferiu o pedido da Defensoria de imediato, o oficial de justiça se prontificou a cumprir a decisão, além do apoio da força policial para buscar a criança”, destaca Adson.

Mãe e filho se reencontraram dois dias depois, no sábado, dia 20. “Na hora que os policiais foram comigo buscar meu filho, ele não fez nada. Aquele homem que se mostrava forte e ficava me ameaçando com a foice ficou mudo com os policiais trazendo meu filho de volta pra mim. Eu estava tão nervosa, minhas pernas tremiam e não consegui sair do carro. E hoje acho que foi o melhor eu ter ficado dentro do carro mesmo, porque mostrei que minha força é outra, que eu sou capaz de tudo pelos meus filhos”, destaca.